Publicado por: astromundoacs | outubro 23, 2013

VOCÊ JÁ VIVEU UMA EXPERIÊNCIA PLUTÔNICA?

VOCÊ JÁ VIVEU UMA EXPERIÊNCIA PLUTÔNICA?

1395910_626822954036988_1240056250_n

                                                                            Antonio Carlos Scavone

Plutão, regente de Es­corpião, nos proporciona, em alguns momentos de nossa vida, intensas vivên­cias que podemos denomi­nar experiências plutônicas. Para alguns, isso acontece rara­mente, para outros, com maior frequência. Como tudo o que se refere a esse planeta, essas vivências emergem do fundo de nos­sas almas, abalando forte­mente nossa estrutura e se refletindo em nosso cotidiano. São, portanto, vivên­cias anímicas, cuja consequência dependerá bastan­te da têmpera de cada individuo. Uma das experiências plutônicas que acontece ine­vitavelmente em algum momento na vida de todas, as pessoas, é o confronto com a morte de alguém li­gado á nós. Essa perda pre­cisa ser sentida, elaborada para que com ela aprenda­mos a conviver. Assim, a essência da experiência plutônica supõe desafio, uma vivência em profundi­dade, onde mergulhamos no fundo de nós mesmos e de lá extraímos força para recomeçar.

Uma das mais difíceis é a troca de nacionalidade. O rompimento com nossas raízes de pátria nos automutila. É como se perdês­semos uma parte forte­mente integrada em nós mesmos. É a sensação de perder o chão. E como uma morte de um lado impor­tante nosso. Para poder­mos superar é preciso nas­cer de novo. Muitas pes­soas não conseguem essa su­peração. Prova disso é que a pena de exílio constitui-se num dos mais duros cas­tigos que um ser humano pode sofrer. São famosas na Li­teratura Universal, as obras que discorrem sobre esse tema. A sensibilidade humana é tão profunda­mente remexida por isso que muita beleza já foi ex­pressa, na sublimação des­sa dor. Sentimentos como a melancolia e a saudade to­mam conta do exilado. Principalmente quando forçado pelas circunstân­cias como no caso econômi­co, a experiência é difícil. Mas em qualquer caso, a troca de nacionalidade constitui-se numa espécie de morte. Pátria, língua e mãe possuem uma força de base que subjaz aos nossos atos. No mundo em que vive­mos, embasado em valores materiais, a questão do ter ganha uma prioridade mui­to grande. Devido a isso, uma pessoa que perde seu status social, em função de uma crise econômica, en­frenta o desmoronamento dos valores externos cria­dos pela sociedade, com os quais se identificava. As consequências disso são muito grandes. Facilmente a pessoa somatiza essa der­rota em doenças no próprio corpo ou se toma presa de uma grande angústia sem saber o porquê. O que acon­tece é que ela está vivendo uma experiência plutônica. Então, deve com­preender que a saída é vol­tar para dentro de si mes­ma, para redescobrir e reencontrar a própria força interior e com ela refazer o seu cami­nho. Ao contrário do que a maioria das pessoas faz neste momento, que é ten­tar resgatar o status-quo perdido, de qualquer ma­neira, sem uma reestrutu­ração interna correspon­dente. Na medida, em que num casamento é uma terceira energia gerada da compo­sição de duas pessoas, co­mo mostra o Mapa Com­posto, existe sempre uma tendência das partes envol­vidas mesclarem suas identidades, a ponto de fi­car difícil, algumas vezes, a identificação de quem e quem, dentro do relacionamento. O fim do casamento é, pois, o fim desse proces­so de fusão. E isto pode ge­rar, nas pessoas envolvi­das, uma profunda crise de identidade, a ponto de pre­cisarem resgatá-la por completo num processo de elaboração bastante lento.

A pessoa sentirá a necessi­dade de perceber até que ponto ela pode decidir por si mesma, expressando sua real vontade, agora que es­tá sozinha. É um momento que requer uma profunda revisão dos hábitos, das idéias e dos valores que, de repente, estão tão somente mesclados com os do ex- cônjuge. A cirurgia que isto requer é também uma ex­periência plutônica; cuja saída é o renascimento. Nas relações, essa expe­riência pode acontecer num nível menos comple­xo, num noivado, namoro ou amizade. Também aí o rompimento nos leva, não raro, a crises que exigem recuperação. Mas como a fusão não é, geralmente, tão intensa, o processo torna-se mais simples, em­bora seja sempre muito do­lorido.

Há outros tipos de expe­riências plutônicas, que nos colocam mais perto, inclu­sive, da morte física. É o caso de doenças de cura muito difícil ou de aconteci­mentos que envolvem vio­lência, como o rapto e os sequestros. Quanto às doenças, a for­ça de Plutão em regenerá-las transcende muito os li­mites físicos. O papel desse planeta nos Mapas Astrais dos médicos, terapeutas e curadores em geral, é muito forte. Porque Plutão traz em si o germe da doença e a força para curá-la. Um exemplo é o caso das doenças psi­cossomáticas, onde, na me­dida em que pessoa resolve seu conflito interno, livra-se da doença como conse­quência. Geralmente, a experiên­cia plutônica vem para nós com um caráter de algo que não pode ser adiado. Ela urge; tal um vulcão que precisa explodir, senão implode. Mas ela exige de nós uma decisão solitá­ria, na qual ninguém pode nos ajudar, pelo menos no que diz res­peito ao cerne da questão. Estaremos mais centrados em nossa força interior e prontos para um novo co­meço. Renascendo, reno­vando, vivemos o nível mais fundo de nossa alma. Vivemos Plutão.

Anúncios

Responses

  1. Já vivenciei tantas experiências plutonianas que acabamos passando por elas de maneira mais equilibrada. Uma delas foi quando plutão entrou em minha casa 1 e ficou oposto a minha Lua na casa 7. Qu
    ando encostou a 1° grau da Lua levou meu pai, passou, andou, e quando retornou e ficou 1° após a Lua, levou minha mãe. Isso foi em um espaço de 2 anos, mas nesse meio tempo, levou meus 3 tios, 2 irmãos de meu pai, e um cunhado. E nessa mesma época, meu filho foi morar em Manaus com minha nora, e meu irmão mais novo, foi com a minha cunhada e meus dois sobrinhos morar fora do Brasil. Resultado uma revolução total na família, mas sai dessa como uma fênix, renascida das cinzas.

    • Poxa!!! É experiência plutônica para ninguém botar defeito!! Por mais difícil que seja reconhecer a finalidade é que nos tornemos Fênix, para aprender a morrer e renascer.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: